MOURÃO pode ser o nome que faltava, o líder carismático que pode unir a sociedade em torno de um projeto para o país

Após pouquíssimas declarações públicas Hamilton MOURÃO já é reconhecido como grande líder carismático e pode sim ser aclamado pela sociedade como o próximo presidente do país. Isso já ocorreu no passado. Dwight David Eisenhower é um grande exemplo disso. Após ser reconhecido como rigoroso, incorruptível e inteligente, o militar foi praticamente alçado pela população ao cargo mais alto da política nos Estados Unidos.

No caso de Hamilton Mourão, a suas qualidades soma-se o fato da sociedade estar desesperada em busca de um nome carismático desligado da política. Portanto, chega-se a conclusão de que não é impossível que em pouco tempo MOURÃO, mesmo sem ser pre-candidato ou sequer pertencer a um partido político, seja mencionado como nome forte para assumir o país.

Não podemos deixar de ressaltar que o general em questão em suas últimas declarações apenas teve a coragem de dizer a verdade Falou o que todos os militares sabem, que as Forças Armadas vão atuar dentro de suas prerrogativas constitucionais e que estamos preparados para assumir o país se isso for necessário.

Prestígio entre MILITARES de todas as patentes

O General Hamilton Mourão é general de quatro estrelas, membro do Alto Comando. Como tal é possuidor de alto prestígio entre os oficiais do Exército Brasileiro. Contudo, o status não é apenas ex officio, Mourão resistiu de pé a crises de fúria de Dilma Roussef e a sucessivos ataques de políticos e grande mídia após fazer declarações incisivas sobre o caráter dos políticos brasileiros e até sobre uma convocação para “luta patriótica”, que foi entendida como um chamado para que a sociedade se mobilizasse contra o PT.

Para os oficiais do ALTO COMANDO não houve demérito nas declarações de MOURÃO, tanto que após pedido de explicações enviado pelo SENADO para a DEFESA, ao contrário do que se esperava, o militar cumpriu o restante do tempo que lhe cabia a frente do Comando Militar do Sul, sendo então transferido para cargo de mais confiança ainda, foi colocado como o chefe das finanças do Exército Brasileiro.

Sobre as últimas declarações do MILITAR de alta patente realizadas em palestra na Grande Oriente em 15 de setembro, o comando do Exército não deve se posicionar. Mas, o que se sabe é que a reunião do ALTO COMANDO, que ocorreu poucos dias antes da palestra do General MOURÃO, foi marcada pela discussão sobre a crise política e suas conseqüências para o país.

Na palestra realizada no Grande Oriente havia pessoas filmando e o general sabia que seria inevitável que os vídeo fosse divulgado. Portanto, não pode-se esperar que sequer um das colocações fosse realizada inadvertidamente. As colocações sobre pertencer à comunidade de inteligência para os militares soam como “eu sei o que há por traz de tudo o que está acontecendo”; as colocações sobre “aproximações sucessivas” indicam que o exército sonda o terreno, faz experiências, inclusive sobre a visão que sociedade brasileira hoje possui sobre os militares.

Lideranças e membros da família militar, como a Senhora kelma Costa, partiram em defesa do General Mourão. Kelma Costa disse: “onde que o general MOURÃO mentiu em sua palestra? Todo mundo ta vendo só não tem coragem de se manifestar!… vamos fazer uma campanha FICA general MOURÃO”

kelma costa defende mourão
Prestígio entre cidadãos civis

O General Hamilton Mourão é cada vez mais mencionado e exaltado como solução para o país por grupos de direita, a ponto de ter-se mandado confeccionar uma “estátua” inflável em sua homenagem. Em manifestações ocorridas em BRASÍLIA há cerca de um ano o boneco do general MOURÃO foi inflado e despertou a fúria de manifestantes de esquerda, que tentaram derrubá-lo em vários momentos. O boneco foi inflado também no Rio de Janeiro em uma manifestação e na frente do comando militar do LESTE, próximo da Central do Brasil.

Presidente do Brasil, o nome que faltava

Assim como ocorreu com o General Heleno há alguns anos, às vésperas da última eleição presidencial, MOURÃO pode ser alçado como um dos principais candidatos a presidente do país. O militar tem a vantagem de nunca ter sido político, ter conduta ilibada, conhecimento profundo do país e, como militar, ser isento do chamado “rabo preso”.

Ao contrário de BOLSONARO, que aparentemente não é visto com bons olhos por alguns do alto escalão das forças armadas pelo fato de ser oficial intermediário e de ter se posicionado contra a força nos anos 80, Hamilton Mourão é unanimidade e seria uma forma das Forças Armadas colocarem em prática muitas de suas idéias, como a imposição de uma legislação mais dura contra a criminalidade, a meritocracia, mais liberdade para os militares agirem contra o tráfico de drogas e reformulação do ensino público.

O próprio Eduardo Bolsonaro se manifestou positivamente nesse final de semana em relação ao discurso do General Hamilton Mourão na GOB .

O general VILLAS BÔAS nas últimas semanas tem mencionado as escolas militares como exemplo de como deve ser gerida a educação no país. O exército planeja ampliar as escolas militares, instalando mais unidades nos próximos anos.

O exército brasileiro ao longo dos últimos meses se debruçou sobre a modernização e ampliação da comunicação social, alcançando mais de 3.5 milhões de seguidores no facebook e 150 mil no twitter. Após as declarações de mourão o Exército publicou vários posts sobre patriotismo e luta patriótica nas redes sociais.

exercito patriotismo general mourão

Hamilton Mourão nunca mencionou a possibilidade de se candidatar. Mas, alguns acreditam que um homem com tanto conhecimento acumulado, detentor de informações privilegiadas e conhecedor das tendências atuais da opinião pública jamais faria declarações tão importantes “de graça”. Na opinião de alguns militares da reserva Mourão pode ter estrategicamente usado a imprensa a seu favor. O militar sabia que os maiores jornais, sempre aterrorizados com o crescimento do status dos militares diante da sociedade, iriam ecoar suas declarações e tentar forçar sua exoneração.

A Revista Sociedade Militar ouviu alguns militares sobre a polêmica em torno das declarações de Mourão.

“Mourão sabe muito bem o que faz, e digo mais, o Alto Comando sabia de tudo. Alguém que chega a General de Exército não joga conversa fora e não atua sem respaldo de seus pares. Ele tem conhecimento e coragem mais que suficiente pra comandar o país. Não é corrupto e nunca se associou com políticos de nenhum partido. É um bom nome”, diz outro militar, V.F. do Exército Brasileiro”

“ele sabe que a sociedade brasileira precisa de um líder carismático”, diz F.Souza, militar da Marinha.

Os mais democráticos

O país vive um momento ímpar. Enquanto as Forças Armadas insistem em aguardar uma solução política, parte da direita teima em uma ação dos militares por acreditar que o país foi destruído pela esquerda e que todas as instituições estão contaminadas pela corrupção. Por sua vez, a esquerda cada vez mais fala em intervenção militar para dar uma reviravolta no que chama de golpe perpetrado por Michel Temer.

Nessa segunda-feira em um artigo no 247, o professor Moniz Bandeira, uma das “mentes pensantes” da esquerda brasileira, diz que uma intervenção militar é a única solução para o país. Quem diria!

Quando um governo sai dos quadros constitucionais vigentes, como é o caso atual, a intervenção das Forças Armadas para restabelecer a ordem constitucional é legal…  Nós não podemos empurrar as Forças Armadas para a direita. Temos que perder o preconceito e ver que somente uma intervenção pode ajustar, porque o Judiciário está apodrecido, o STF cheio de contradições,.“, diz Moniz Bandeira

Robson A.Silva é Militar R1 e Cientista Social /

Revista Sociedade militar

Comentários no Facebook