Lava jato investiga fraude no projeto do submarino nuclear brasileiro

LAVA JATO INVESTIGA SOCIEDADE DA ODEBRECHT PARA SUBMARINO NUCLEAR
ODEBRECHT FRAUDOU ATÉ PROJETO DO SUBMARINO NUCLEAR BRASILEIRO.
As investigações da operação Lava Jato começaram a avançar sobre uma sociedade muito suspeita entre o então governo da presidente afastada, Dilma Rousseff (PT) e sua empreiteira preferida, Odebrecht, na construção do submarino nuclear brasileiro. A parceria criaria uma empresa chamada Próton, sob controle da Odebrecht e tendo como sócia minoritária a estatal Amazul (Amazônia Azul Tecnologias de Defesa).
A Próton passaria a vender tecnologia para as Forças Armadas e a Odebrecht, que já recebeu mais de R$ 2,7 bilhões no projeto do submarino nuclear, seria dona de toda a tecnologia desenvolvida, bem como patentes, excetuando o reator nuclear, a cargo da Marinha, se a sociedade fosse desfeita.
O conselho da Amazul, que havia concordado com todas as cláusulas, passou a criticar itens de exclusividade e a propriedade intelectual concedida à empreiteira, principalmente após o envolvimento da Odebrecht nas investigações de corrupção no âmbito da Lava Jato.
Depois de muita discussão, chegou-se a um acordo onde a cláusula de exclusividade foi retirada da parceria e as patentes passaram a ser divididas em caso de dissolução da sociedade, mas toda a negociação chamou atenção dos investigadores da Lava Jato.
DIÁRIO do PODER/montedo.com

Comentários no Facebook