Governo federal gastou R$ 75 milhões com envio de Forças Armadas ao RJ nos últimos três anos

Militares das Forças Armadas e da Força Nacional reforçam o policiamento nas praias e ruas do Centro do Rio de Janeiro - 14/02/2017 (Sérgio Moraes/Reuters).
Levantamento mostra que em cada R$ 10 gastos, R$ 3 foram destinados ao Rio de Janeiro. Em todo o país, ações custaram R$ 252 milhões.
Por GloboNews
O Rio de Janeiro foi a unidade da federação que mais teve recursos relativos ao envio das Forças Armadas para auxílio na segurança pública entre 2015 a 2017. Foram R$ 75 milhões, 30% do valor total gasto em todo o Brasil durante o período, que foi de R$ 252 milhões. Os dados foram conseguidos com exclusividade pela GloboNews. Em cada R$ 10 usados no envio de tropas, R$ 3 foram usados só no Rio de Janeiro neste período.
Só no ano passado, o RJ teve reforço em fevereiro, durante o movimento de esposas de PMs que bloqueavam a saída de batalhões, e a partir de julho, em várias operações integradas com as forças estaduais de segurança.
Em 2015, foram gastos cerca R$ 6,2 milhões em todo o país. Em 2016, foram mais de R$ 69 milhões, com três intervenções militares em diferentes estados. Em 2017, foram R$ 177 milhões gastos em seis intervenções, totalizando 252 milhões nos três anos.
Comparação com outros estados
De 2015 a 2017, foram gastos R$ 50 milhões em operações em presídios em todo o território nacional. As eleições municipais de 2016 demandaram R$ 42 milhões em todo o país.
Os R$ 75 milhões gastos no Estado do Rio de Janeiro se destacam em comparação com outras unidades da federação. Foram R$ 38 milhões gastos no Espírito Santos e outros R$ 21 milhões usados no Rio Grande do Norte no mesmo período.
Especialista critica frequência
As intervenções também são alvo de críticas de especialistas pela frequência.
“O que é para se estranhar é acionar o Ministério da Defesa, e não da Segurança Pública. A União entra em uma emergência, como no Rio Grande do Norte. Até acionar o último aparato, você teria que ter esgotado todas as possibilidades. O que a gente está vendo é uma banalização dessa medida”, explicou o antropólogo e ex-comandante do Estado-Maior da PM do Rio, Robson Rodrigues.
G1/montedo.com

Comentários no Facebook