Divagando sobre política

por: AluÍzio da Silva

Política não se faz com fantasias. O realismo consiste em considerar o real. Somos produtos de crises. Podemos ser devorados por ela. A culpa não é dos outros. É também nossa. Por ação ou omissão.

Há pelo menos duas décadas que o município de Guajará-Mirim ter sofrido com crises políticas de enormes proporções. O que, em nível  local, também contribui para engrossar a fileira dos descontentes com os nossos políticos. Já se tornou rotina hostilizar a classe política. Parece que isto serve como bálsamo para acalmar a raiva do povo.

Vez por outro surge um nome novo para reanimar o povão. De repente, não mais que de repente, some e volta a deixar o povo frustrado. O mais marcante desses exemplos deu-se no final do ano 2000 quando Chico Oliveira , do PMDB, foi eleito pela ampla maioria do povo guajaramirense e quando se preparava para assumir o Palácio Pérola do Mamoré, o destino foi ingrato com aquela figura humana, humilde, bonachão, amante e amado pelo povo, de um invejável carisma que o levou, na época, a ser o maior político do município, ainda que sem formação cultural, mas com o amor verdadeiro do povo.

Essas crises políticas que atormentam o município levou o vereador Serginho Bouez a assumir a Prefeitura Municipal por força da legislação vigente. O tempo de mandato é curto – só 90 dias – mas o suficiente para mudar a cara da cidade com uma série de medidas que de fato são bem simples,  mas servem para aumentar a alta estima do povo. Não faz uma administração fantástica, mas é altamente satisfatória. Aliás, sou suspeito para falar dessa situação, todos sabem porque.

Mas ainda estamos longe de atingir o ideal. Para tanto, faz-se necessário reduzir a máquina administrativa ,racioná-la, reciclá-la, são condições que aumentam a sua eficiência, para eliminar as tendências corporotivistas que dificultam ou impedem qualquer sucesso.

Para fechar o assunto, é claro que nosso prefeito interino é dotado de ampla formação moral, educacional e profissional, mas nem todos nossos governantes são assim. Por isso, como disse o grande Rui Barbosa: “Há tantos burros mandando em homens de inteligência, que, às vezes, fico pensando que a burrice é uma ciência”.

*Administrador de Empresas, Jornalista e Radialista. Membro fundador da Academia Guajaramirense de Letras (AGL).

Comentários no Facebook