Dilma Rousseff será mais uma indenizada

A Comissão Especial de Reparação da Secretaria de Direitos Humanos do Estado do Rio aprovou na quinta-feira passada a concessão de reparação moral à ex-guerrilheira Dilma Vana Rousseff. A concessão de indenização à atual Ministra Chefe do Gabinete Civil da Presidência da República foi motivo de polêmica. A Procuradora Leonor Paiva, que não pôde comparecer à reunião, opinou pelo indeferimento ao processo de Dilma. Mas quatro dos sete membros da Comissão rejeitaram seu parecer e beneficiaram a ex-guerrilheira Estela.

A gaúcha (nascida em Belo Horizonte) Dilma faz parte do folclore da luta armada. A guerrilheira organização marxista VAR-Palmares – e que já foi brizolista no passado – teria participado do assalto à casa de uma amante do ex-governador de São Paulo Adhemar de Barros. Do cofre da residência, foram roubados US$ 2 milhões e 400 mil dólares. Dilma alega que ajudou no planejamento. Mas a guerrilheira aposentada garante não participou da ação. Por coincidência, sua reparação saiu no dia 14 de dezembro, data de seu aniversário de 59 anos.

Dilma, que é autora do livro “Mulheres que foram à luta armada” (1998) foi beneficiada pelo depoimento de uma companheira de guerrilha. Vânia Amoretty Abrantes relatou que foi transferida com ela, no mesmo camburão, de uma prisão em São Paulo para o Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi), sediado no quartel da Polícia Especial do Exército, na Rua Barão de Mesquita, no Rio de Janeiro. Apenas por coincidência, Vânia Amoretty é diretora do Grupo Tortura Nunca Mais. Em nome da ONG, Vânia acompanha os trabalhos da Comissão Especial de Reparação.

Ano passado, Dilma fez lobby e recebeu a medalha do Mérito da Ordem Militar – o que irritou oficiais da ativa e da reserva das Forças Armadas contra as quais a guerrilheira Estela (seu principal codinome) lutou nos tempos da guerrilha urbana. Agora, essa “reparação moral” à Dilma vai gerar novas polêmicas. Até porque Dilma será a mulher forte do novo governo Lula. Atual presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, Dilma será a responsável por tocar os projetos bilionários de “desenvolvimento que irão destravar o País”, prometidos pelo presidente reeleito.

Os beneficiados

A Comissão de Reparação do RJ apreciou 48 pedidos de reparação de militantes políticos que estiveram presos em dependências de órgãos do Governo do Estado do Rio de Janeiro entre a data do golpe militar, 1° abril de 1964, e a anistia, 28 de julho de 1979.

Comissão deferiu 19 processos, indeferiu 28, por falta de documentação cobrada dos requerentes e por estes não fornecida, e retirou um de pauta.

reunião foi presidida pelo Coordenador da Comissão, Gelson Campos, e contou com a participação dos representantes da ABI, Maurício Azêdo; do Grupo Tortura Nunca Mais, Elizabeth Silveira; da Ordem dos Advogados do Brasil/Seção do Estado do Rio de Janeiro, Marcos Cilos; do Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio de Janeiro

OBSERVAÇÂO: O AUTOR DO LIVRO ” MULHERES QUE FORAM À LUTA ARMADA É LUIS MAKLOUF DE CARVALHO

As informações são do site a VERDADE SUFOCADA

Comentários no Facebook